Campo Aberto Para Uma Nova Linguagem

quarta-feira, Agosto 12, 2020

Bons exemplos enriquecem comemorações do Dia Internacional da Juventude, celebrado em 12 de agosto.

O pai mal acredita quando Marcela Medeiros, de 30 anos, avisa que quer dirigirCampo Aberto para uma nova linguagem caminhão. Ela ri e nem liga, quer mesmo tirar a carteira de motorista de caminhão! Já com o trator John Deere adquirido há um ano, durante a Agrishow 2019, ela se adaptou muito rapidamente e circula para todos os lados na Fazenda Primavera, em Piedade de Caratinga (MG). “Foi molezinha aprender”, brinca.

Quando olha para trás, Marcela mal acredita nas mudanças ocorridas no mundo e na propriedade de sua família desde o evento. Só que, neste último caso, uma transformação bastante positiva. Em abril do ano passado, Marcela enfrentou uma longa estrada até Ribeirão Preto (SP) ao lado do avô, Antônio de Medeiros, então com 85 anos. Influenciados por proprietários de terras vizinhas, eles tinham decidido adquirir um trator John Deere. Escolheram um da Série 6 e ainda levaram um pulverizador e alguns outros implementos.

O avô anda afastado fisicamente dos negócios devido ao isolamento social e o pai, Marcio Azevedo, fica em outra fazenda de gado em Córrego Novo, também em Minas Gerais. As propriedades integram o Grupo Medeiros, composto por diversas ramificações de negócios, como cartórios, loteamento de terrenos, aluguel de maquinários, entre outros. O papel de Marcela nessa estrutura é múltiplo, responsável pela área financeira e administrativa do grupo. “Quando preciso, peço opinião ao meu avô, tiro foto e envio para ele. Tudo eu quero aprender”, afirma.

"Conseguimos modernizar a lavoura depois dessas aquisições. Antes, dependíamos muito mais de mão de obra que, inclusive, está muito cara e escassa neste momento. Este ano não tivemos sequer safristas, estamos fazendo o trabalho com nossos próprios funcionários

Marcela Medeiros

Seu Antonio é só elogios à neta. Primeiro, ele destaca a confiança nela. Depois, comenta sobre a desenvoltura da jovem em lidar com as pessoas e agilidade para acompanhar os avanços tecnológicos. “Ela é rápida de raciocínio, conseguiu se inteirar de tudo rapidamente”, frisa.

Na Agrishow 2019, quando viajaram juntos para adquirir o maquinário John Deere, seu Antonio se surpreendeu com a quantidade de mulheres no agronegócio: “Isso é muito bom para o Brasil. Elas têm garra e botam pra quebrar”.

 

Experiências em outros campos

Esse modelo de vida, no entanto, nem sempre fez parte dos sonhos de Campo Aberto para uma nova linguagemMarcela. Foi preciso romper fronteiras para, só depois, entender onde era o seu lugar. Todos torciam para ela seguir a trajetória no cartório da família em Caratinga. Ficaram animados quando cursou Faculdade de Direito. Só que Marcela optou por viver no Rio de Janeiro em um apartamento dos avós. Com a cara e a coragem bateu em várias portas e, por capricho do destino, arrumou emprego justamente em um cartório carioca. Dois anos se passaram até que seu Antonio a convidou para voltar e trabalhar nos negócios da família. Marcela, chegada em um desafio, aceitou.

“Faz quatro anos que voltei. Sinto falta da cidade, mas o apartamento continua lá no Rio de Janeiro, posso voltar quando eu quiser para passear e descansar. Não trocaria hoje essa minha vida no campo por nada. A comodidade e qualidade de vida são outras, temos tudo ao nosso alcance”, comenta. Sua casa fica a 7 quilômetros da Fazenda Primavera, percurso que faz diariamente, sem hora certa para encerrar o expediente.

Ao lado dos 20 funcionários, ela fica atenta a todos os movimentos nos 194 hectares da Fazenda Primavera. Desse total, 70 hectares são destinados ao plantio de café. O restante é, principalmente, pastagem. “Desemprego não chegou aqui. Temos trabalhado com todos os cuidados de segurança e aqui da fazenda nem parece que vivemos essa situação enfrentada pelo mundo lá fora”, acrescenta.

 

Nova maneira de comprar e vender

Com a mesma idade de Marcela, 30 anos, Marcio Ganda destaca como seu trabalho se tornou mais produtivo com o avanço tecnológico e a permanência de jovens no campo. Ele é consultor estratégico de negócios da concessionária Treviso Máquinas, responsável pelo atendimento aos clientes na região onde está a Fazenda Primavera. Os dois se falam com frequência por meio de aplicativos, redes sociais digitais e adoram toda essa tecnologia ao alcance de um clique.

“Atualmente, trabalhar com os jovens no agronegócio tem Campo Aberto para uma nova linguagemsido muito mais produtivo e assertivo no meio do agronegócio por causa das tecnologias disponíveis. Quando a gente vai a uma propriedade com um jovem à frente da operação, não encontramos dificuldade para explicar e esclarecer os diferenciais dos produtos, pois eles já pesquisaram e fizeram metade do trabalho que um vendedor teria antigamente”

Marcio Ganda

Como já estão bem informados sobre os maquinários, a preocupação dos jovens volta-se mais a questões sobre assistência técnica, garantias oferecidas e qualidade do pós-venda.

A Treviso, assim como outras concessionárias John Deere pelo Brasil, utiliza fortemente as ferramentas digitais em sua comunicação, aproximando a marca dos clientes de maneira significativa. No momento, Marcela negocia a aquisição de um trator de grande porte e com GPS, o 7230J, que será destinado à pecuária e à plantação de milho.

“Essa é uma clara demonstração de credibilidade e confiança adquirida pela família Medeiros na marca John Deere”, conclui Ganda.

Outra “negociação” recente de Marcela foi no campo pessoal, com seu noivo Geuris Polonini. Ele mora no Espírito Santo e deve se mudar para Piedade de Caratinga em dezembro. Aos 36 anos, ele atua na área de refrigeração industrial e é muito curioso em relação a maquinários, o que significará casamento perfeito também para os negócios.

E, assim, a celebração do Dia Internacional da Juventude, em 12 de agosto, fica ainda mais rica com demonstrações como esses jovens que estão transformando a realidade do campo.

Fonte: Jonh Deere Journal



Share